Política

08-02-2024 16:57 - POLÍTICA

“Uma Argentina bem-sucedida é algo muito favorável para a comunidade regional e mundial”, afirma secretário adjunto dos EUA para o Hemisfério Ocidental

O secretário adjunto para o Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Brian Nichols, afirmou que “uma Argentina bem-sucedida é algo muito favorável para a comunidade regional e internacional” e embora tenha dito que “uma mudança é necessária”, evitou fazer comentários sobre algumas medidas específicas, como a dolarização, sob o argumento de que são “decisões soberanas” do país.

Telam SE
08-02-2024 | 16:57
O secretrio adjunto para o Hemisfrio Ocidental dos Estados Unidos Brian Nichols
O secretário adjunto para o Hemisfério Ocidental dos Estados Unidos, Brian Nichols

Figura-chave da diplomacia norte-americana para a região latino-americana, o responsável passou quatro dias na Argentina, onde manteve reuniões com o Ministro-chefe da Casa Civil, Nicolás Posee, a Chanceler Diana Mondino, e os Ministros da Economia, Luis Caputo; da Segurança, Patricia Bullrich; e da Defesa, Luis Petri; entre outros. Reuniu-se também com representantes de sindicatos, organizações de direitos humanos e do setor privado.

"A Argentina é um aliado e parceiro fundamental dos Estados Unidos. Este país tem os recursos humanos e naturais para ter sucesso global e queremos apoiar o povo argentino na realização dos seus desejos de crescimento, segurança e bem-estar familiar. Uma Argentina bem-sucedida é algo muito favorável para a comunidade regional e internacional", explicou em entrevista coletiva.

A sua visita pouco menos de dois meses após a tomada de posse do novo Governo foi recebida como um gesto de aproximação, embora Nichols não tenha confirmado que esteja na agenda uma reunião bilateral entre Javier Milei e Joe Biden, apesar do fato de ambos participarem na Cúpula do G20 no Rio de Janeiro em novembro, nem uma viagem a Buenos Aires do Secretário de Estado, Antony Blinken.

"A relação com a Argentina é fundamental. Sei que o presidente Biden e os diferentes membros do Gabinete estão muito interessados em unir-se com suas contrapartes. É um ano eleitoral nos Estados Unidos, o que torna tudo um pouco complicado", explicou.

Perguntado se a Casa Branca apoiaria um novo acordo entre a Argentina e o Fundo Monetário Internacional (FMI), o diplomata disse que os Estados Unidos “sempre tentaram colaborar em questões difíceis de negociação”, embora “os processos devam ser avaliados pelos seus méritos".

Você pode gostar