Política

15-12-2022 11:58 - POLlTICA

"Vou assumir a liderança para que quem tome posse em 2023 seja um de nós", afirma presidente argentino

O presidente argentino, Alberto Fernández, afirmou que se colocará "à frente" da discussão política para que "o Presidente ou a Presidenta" que tomar posse em dezembro de 2023 após as eleições, seja do partido Frente de Todos (FdT) e não seja parte dos que "entregaram o país e o colocaram de joelhos", em referência ao governo de Mauricio Macri (2015-2019), do partido Juntos por el Cambio (JxC).

Telam SE
15-12-2022 | 11:58
O presidente Alberto Fernndez
O presidente Alberto Fernández

“Garanto a todos que vou me colocar à frente de todos nós, sem exclusão, para que, em dezembro de 2023, o presidente ou a presidente que tomar posse seja um de nós. Não vou permitir que, uma vez mais, os que entregaram o país e o colocaram de joelhos, voltem a assumir o comando de uma Argentina na qual poucos se dão bem", disse o presidente ao presidir o ato oficial dos três anos de gestão do governo.

Em seu discurso, o presidente fez um balanço das conquistas de seus três anos de mandato, que se completaram no sábado 10 de dezembro, dizendo que é "um dia de reflexão coletiva" e lembrou que quando Cristina Fernández de Kirchner "propôs que ele fosse candidato” nunca pensou nos acontecimentos que ocorreram posteriormente, como a pandemia e a guerra na Ucrânia.

"Há uma semana vimos como o sistema de meios de comunicação pode encobrir uma notícia, mas na realidade há 3 anos estamos vendo como se encobrem as notícias que fazem parte do desenvolvimento do país", afirmou o Presidente, na primeira referência ao escândalo que surgiu depois que se tornou conhecida a viagem feita por um grupo de juízes, integrantes da oposição e representantes da mídia em outubro passado a um complexo hoteleiro na Patagônia.

Ao falar do seu estilo de condução, Fernández disse ainda que "a liderança não se exerce gritando ou batendo na mesa", e sim "convencendo a todos". "Muitos dizem que sou um presidente tímido, que não exerce a liderança. Mas acredito que liderança não se exerce gritando ou batendo na mesa, e sim convencendo a todos".

Você pode gostar