16/03/2021 POLTICA

Oficina Anticorrupo qualifica a dvida com o FMI durante o governo do Mauricio Macri como "administrao infiel"

A mxima autoridade da Oficina Anticorrupo (OA), Flix Crous, considerou que houve "administrao infiel dos fundos da sociedade argentina" na dvida contrada com o FMI por mais de 44 bilhes de dlares durante o governo do Mauricio Macri e destacou a necessidade de procurar os "especuladores" que apoiaram essa manobra.

"Houve administração infiel dos fundos da sociedade argentina. O empréstimo foi tomado e não havia nem um papel", disse Crous se referindo à ação penal apresentada na última sexta-feira contra Macri e vários funcionários de seu governo por "defraudação, administração infiel agravada e malversação de fundos públicos".

Félix Crous
Flix Crous


E acrescentou: "Achamos que o FMI fechou os olhos para outorgar o maior empréstimo da sua história e que não foi utilizado para o que era. Essa dívida foi tomada para garantir aos especuladores que desmontaram suas posições em dólares".

Com o relatório do Banco Central e a Auditoria da Sindicatura General de la Nación [Tribunal de Contas da União] foi apresentada a ação penal, no Juízo Nacional da Vara Criminal e Correcional Federal Número 5, no processo 3561/2019, intitulado: "Macri, Mauricio e outros sobre defraudação por administração fraudulenta e fraude contra a administração pública".